Dave Erickson, showrunner da série, contou ao Entertainment Weekly que “essa será a primeira vez, para todos eles, onde eles terão que sobreviver na terra por um tempo, e terão que descobrir um jeito de fazer isso”. Ele também nos adiantou que “a grande questão da metade da temporada é: quando e como a família se reunirá de novo?”. Você pode conferir essas informações nos links abaixo, mas e se você quiser mais dicas e conhecimento sobre? Bem, então você terá que continuar a ler essa matéria, onde Erickson nos da uma luz sobre o que esperar com o retorno da série dramática de zumbis da AMC e o porque de os humanos agora serem a maior ameaça.

ENTERTAINMENT WEEKLY: O que você pode nos contar, em termos de “onde e quando” iremos conseguir retomar as coisas de onde elas pararam?

DAVE ERICKSON: Não será tão rápido que iremos retomar os acontecimentos da mid-season finale. Como você sabe, nós encerramos com toda a família em um estado crítico, com Nick seguindo sozinho seu caminho, e Travis à procura de Chris. Eu acho que parte da tensão dessa metade da temporada será depositada em como a Madison irá lidar com a ausência de Nick. Será que ela vai ou não sair à procura dele? Isso terá um grande impacto na relação dela com Alicia, que durante a maior parte de sua vida, viveu nas sombras de seu transtornado irmão.

Nós teremos um enredo interessante entre pai e filho. Temos Travis, um cara que prometeu proteger Chris à todo custo um pouco antes de matar a mãe de seu filho. E nós veremos se ele se sairá bem nesse quesito.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Algumas vezes durante essa série e também durante o outro programa de Walking Dead, os zumbis são a maior ameaça mas, outras vezes, é a ameaça humana que toma o maior espaço. Qual será a maior ameaça desta metade da temporada?

DAVE ERICKSON: Definitivamente, a ameaça é humana. Eu acho que isso é algo que nós desenvolvemos, progredimos consideravelmente rápido nesse quesito, onde o maior perigo para nós, especialmente nessa temporada, foram as pessoas e não necessariamente os mortos. Eles [os zumbis] continuarão sendo um obstáculo, mas essa parte será mais sobre negociar com algumas pessoas do novo elenco, que nós ainda iremos conhecer. Negociar um jeito de passar por isso, encontrar abrigo, e aí então, sobreviver. Mas eu acho que definitivamente, nós iremos para o caminho da dinâmica humana e do interpessoal – com zumbis sempre presentes e prevalecendo sempre.

Porém, especialmente com Nick, isso será bem visível, pelo lugar para onde está indo, as pessoas com quem ele vai encontrar, são todas parecidas com Celia. Elas tem seu próprio pensamento e filosofia, e alguns segredos obscuros também. Parecem estar bem confortáveis com os mortos. A maior preocupação de Madison em relação à Nick era a sua fascinação e seu vício na aproximação com os mortos. E sua educação permanece nessa metade da temporada, onde esperamos ver Nick retornando aos poucos à vida, e se apegando a ela um pouco mais do que ele fez com os zumbis nos episódio anteriores.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Sabemos que Danay Garcia se juntará ao elenco como Luciana, com quem Nick se encontrará em Tijuana. Nós iremos conhecer mais sobre os novos personagens?

DAVE ERICKSON: Sim. [Dá risada] Sei que matamos a maioria dos personagens [nos últimos episódios]. O que é interessante para mim em ter essas narrativas paralelas é a oportunidade de ver quais pessoas cada grupo irá encontrar. Chris e Travis irão cruzar caminhos com alguns caras que vão desafiar o modo como Chris lida com o apocalipse. E Travis vai abordar Chris nessa temporada, tentando consertá-lo, tentando trazê-lo de volta para o lado certo da linha. Eles vão encontrar algumas pessoas que irão comprometê-los, comprometer sua jornada e esse desafio.

Para Madison, Alicia e Strand… Bem, Madison perdeu seu filho, assim como aconteceu no passado – porque essa não é a primeira vez que Nick foge da família. Então, eu penso, para Madison, a diferença crucial das situações é que, diferente da época pré-apocalíptica, quando havia uma casa para Nick retornar, agora ela precisa ter certeza de que há algum lugar para que Nick volte, que seja um barco ou outra coisa. Então, ela realmente vai se dedicar a encontrar um lugar para chamar de santuário, que eles possam também chamar de casa. Tudo isso para que, quando Nick decidir voltar, ele tenha algum destino. Fazendo isso, eles irão cruzar caminhos com um grupo de pessoas não tão experientes quanto eles no quesito zumbis, e isso vai colocar Madison numa posição interessante por alguns episódios, onde agora ela poderá ser chamada de líder. É claro que existirão desafios e decisões que ela fará durante o percurso dessa metade da temporada que comprometerão sua liderança.

Mesmo indo tão longe, Nick vai encontrar um lugar. O que é interessante sobre a jornada do Nick é que não somente ela nos mergulhará no entendimento que ele tem sobre a morte e sobre os mortos, mas também vai aproximá-lo da vista do México. Nós vamos ver como ele se conectará com a cidade como um lugar para viver, e como será sua relação com os personagens que vivem nele. E talvez ele até encontre um amor.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Alguém que está vivo ou morto?

DAVE ERICKSON: [Dá risada] Isso fica para ser visto.

Fiquem ligados aqui no FEAR the Walking Dead Br e em nossas redes sociais @FearWalkingDead (twitter) e FEAR the Walking Dead Brasil (facebook) para ficar por dentro de tudo que rola no universo de Fear the Walking Dead.


Fonte: Entertainment Weekly


Comentários