Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do sétimo episódio, S02E07 – “Shiva”, da segunda temporada de Fear the Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Classificar o midseason finale dessa temporada de Fear the Walking Dead como explosivo seria justo por vários motivos. Chris fez um pequeno garoto de refém com uma arma para poder escapar de seu pai. Travis se recusou a voltar, optando por ficar no campo com Chris. Madison trancou Celia no quarto com os zumbis porque ela não gostava da conexão de Celia com seu filho. Daniel continuou tendo suas loucas visões, incluindo sua falecida esposa Griselda, o que fez com que ele ateasse fogo em toda a casa. E depois Nick se recusou a partir com sua família, optando por vagar em meio aos zumbis.

Em entrevista, o showrunner Dave Erickson falou sobre todas as perguntas quentes do episódio. Tipo, o Daniel Salazar – a última vez que o vimos ele estava cercado de fogo – morreu? A resposta do Erick talvez surpreenda você.

Ok, vamos começar com Daniel que ateia fogo no lugar todo, e quando o vemos pela última vez ele está cercado de fogo. É seguro assumir que ele está morto ou não?

Dave Erickson: Não o vemos queimar, e isso é intencional. Acho que o que é mais importante no midseason é o impacto que isso tem na Ofelia e nos demais personagens, o fato de Daniel ter partido. Isso vai colocar Ofelia em um novo caminho quando a temporada voltar. Da minha perspectiva, em termos do arco da série, essa não será a última vez que vimos Daniel Salazar. Ele acabou seu papel nessa temporada. Não veremos mais Daniel no retorno da temporada, mas acredito que veremos seu retorno na terceira temporada.

fear-the-walking-dead-s02e07-dave-erickson-entrevista-001

Uau, grandes notícias, então! É interessante porque eu assisti àquela cena e pensei, “bem, esse cara já foi”. Mas é aquela regra, se você não viu a pessoa morrer de verdade numa série, existe sempre a chance dela estar viva.

Dave Erickson: Com toda certeza. Liza é um bom exemplo disso. A morte dela foi concretam e vimos o corpo dela no final da temporada passada, e de novo no início dessa temporada, e tudo que importava era o impacto que isso ia ter em Chris e Travis e no restante do grupo. No caso de Daniel, sua história ainda não acabou. E o que é bom nisso é que meio que dá um encerramento a primeira metade da temporada. Mostra Daniel se reconciliando e tentando encontrar um pouco de redenção para os crimes que ele cometeu – isso foi realmente o final desse arco, e ele encontra tudo isso através do fantasma de Griselda, essencialmente.

Acho que ainda exista outro capítulo para ser contado nessa história. O que nós vamos focar no retorno dessa temporada é no impacto que esse acontecimento teve especialmente na filha dele, porque Ofelia é alguém que estava presa em sua vida. É alguém que desistiu de algo grande em sua vida para cuidar de seus pais, e o que ela vai perceber agora é que eles não precisavam de todo esse cuidado. E agora, no momento onde ela deveria se tornar o que quer que ela quisesse, ela está presa no apocalipse. Então vai ser interessante ver como isso se manifesta e o que Ofelia será capaz de fazer para reconciliar a perda de seus pais agora que ela está órfã. Então temos mais história para contar que envolvem essencialmente Ofelia, mas isso não é algo que veremos na segunda temporada. É algo que esperançosamente veremos na terceira temporada.

E antes de sair do assunto Daniel, o que causou aquele surto nele?

Dave Erickson: Se você assistir à trajetória da primeira metade da temporada, existem provas. Momentos em que ele ouve vozes. Momentos em que ele parecia estar focado em coisas que não estavam ali. Acho que Ofelia começou a ver que ele estava diferente. O que o fez ruir foi a perda de Griselda. Ele é um homem que cometeu vários pecados. Ele é um homem que matou, que torturou, que cometeu crimes e ele sempre teve sua esposa que sabia de seus segredos.

E quando ele a perde no final da temporada passada, ele perde seu chão. Ele perde a única coisa que o protege dessas memórias, desses crimes e desses pecados, e no lugar de Griselda ele agora encontra sua filha, no início da temporada, que o enxerga com um tom de julgamento. E sem o amor de Griselda, as coisas que ele fez, suas memórias, começam a voltar e o devoram no curso da temporada.

O grande momento em termos de visões é no episódio 6 quando achamos que ele matou um garoto. E quando se inicia o episódio 7 vemos que na verdade o menino era ele, e esse pecado original cometido por ele foi algo que ele fora forçado a fazer quando criança, e que ele ainda não conseguia lidar. Todo monstro vem de um lugar inocente, e era isso que queríamos explorar: quem ele foi antes e quem ele se tornou agora.

fear-the-walking-dead-s02e07-dave-erickson-entrevista-002

Falando em pessoas loucas, vamos seguir para o Chris, que também perdeu o bom senso, ele foge do pai, faz uma pobre criança de refém e tenta cortar seu pai com uma faca. Ele resolveu partir porque ele ficou atacado ou porque ele se vê como o problema e está tentando resolvê-lo ao sumir?

Dave Erickson: É essa última opção. Acho que o que vemos de Chris quando ele entra no quarto de Alicia e Madison no episódio final, ele não está tentando machucar ninguém. Mas quando ele vê a faca ele pensa, “isso é meu, essas pessoas estão com medo de mim.” Então quando ele pega a faca não é necessariamente para machucar Alicia ou Madison. Ele está com raiva, está confuso e está assustado.

Ele ainda é uma criança e se sente sobrecarregado e destruído, ela não consegue ver as coisas direito, e ele é temeroso. Ele nunca sabe bem o que fazer a seguir. A gente pegou uma criança alienada e chateada – quem ele era antes do apocalipse – e colocou nele a pressão da morte de sua mãe, a pressão do fato de ter sido seu pai que abateu Liza, e sem contar o fato dele ter que estar vivendo nesse tipo de inferno na Terra, ele também se acostumou a matar os zumbis. Tudo isso está na cabeça dele.

Então acho que essa segunda opção é bem verdade. A atitude dele nesse momento é “algo está errado comigo e eu preciso me tirar desse lugar onde as pessoas que supostamente deveriam me amar não me amam”. E a única maneira que ele consegue arranjar para solucionar isso é fugindo para longe deles o máximo que ele pode, e para a sorte dele, Travis não está disposto a deixa-lo ir. Mas o Travis tem lutado com o pensamento “Como acho meu filho? Como concerto isso? Como consigo melhorar?” E o que ele percebe é que seu filho não vai melhorar em nada se estiver numa família bagunçada que só olha para ele com ódio, então ele faz um sacrifício bastante significativo, porque ele está desistindo de sua família, pelo menos a curto prazo, para poder curar seu filho.

É, essa foi uma grande decisão que Travis tomou porque esse não é mais o tradicional contexto em que uma pessoa simplesmente sai e fala “Bem, vou passar um tempo com meu filho agora”. Quando você diz, “não vou voltar” como Travis falou na série, pode ser uma decisão permanente. É mesmo um sacrifício, não é?

Dave Erickson: Eu diria, em defesa de Travis, que quando ele deixa o complexo de Abigail, ele não esperava que todos fossem deixar o lugar. Ele obviamente não sabia que o lugar seria queimado. Então, acho que da perspectiva dele, ele está deixando Alicia, Madison e Nick num lugar seguro, se é que faz sentido. E mesmo quando Nick sai atrás dele para trazê-lo de volta, tudo parece bastante são para Nick, significando que ele já trouxe Luis de volta e garantiu segurança para sua família.

Então da perspectiva de Travis, é uma oportunidade para ele cuidar de seu filho, algo que ele não teve tempo desde que o apocalipse começou. Mas ele também acha que Madison está segura. Se ele soubesse que tudo aquilo aconteceria, a narrativa poderia ter sido um pouco diferente.

Madison dá um passo em direção ao lado escuro quando ela entra na cela dos zumbis com a Celia e a tranca lá dentro, praticamente fazendo com que ele seja assassinada em sua própria casa. Fale sobre a decisão de Madison.

Dave Erickson: Desde o início nós a mostramos como uma mulher que faz o que quer que seja de “escuro” quando é necessário, e ela também é boa em compartimentar as coisas que fez e que viu. Na primeira metade da temporada vemos uma mulher que está começando a ficar bastante preocupada com Nick e o caminho que ele está seguido, pois ele parece está desenvolvendo uma fascinação, se não um vício, pelo apocalipse e pelos zumbis. E quando ela conhece Celia e percebe que essa mulher está abraçando os mortos da maneira que seu filho faz, e que isso basicamente arrisca a vida dele, o que faz com ela veja isso como um interesse tão perigoso quando o vício em heroína.

E ela vê Celia como uma incentivadora, como uma mulher que está guiando seu filho por um caminho que ela julga perigoso. E tem aquela cena no episódio em que Nick fala como se tivesse meio que se desconectado com a realidade. Ele acredita de verdade que ele consegue andar entre os zumbis sem ser tocado, e ela se preocupa com o fato de se ele continuar com isso pode acabar morrendo, e essa tem sido sua preocupação desde que ele tinha entre 14 e 15 anos, quando ela começou a achar que estava perdendo ele. Então, o que ela vê em Celia é uma mulher que comprometerá a segurança de seu filho. E matar Celia é uma maneira de proteger Nick e salvar sua vida.

Celia tem uma reação bastante interessante a isso. Ela não parece estar com raiva ou assustada ou mesmo com medo quando ela vê que Madison a trancou ali.

Dave Erickson: Acho que ela tem um susto que dura meio segundo, mas ela tem confiança, e acho que ela fica um pouco desconcertada de início porque ela não imaginava ter esse fim, pelo menos não tão cedo. Mas ela logo se recupera. Bem, ela acredita que os mortos não estão mortos. Ela acredita que é apenas parte da evolução, e ela acredita ser natural. Então, se ela realmente acredita nessas coisas, o que de fato ela acredita, então ela está preparada para a chegada de sua morte, e de sua ressurreição como infectada. Então isso a afeta por um segundo, mas depois ela se acostuma facilmente.

fear-the-walking-dead-s02e07-dave-erickson-entrevista-003

E então o que acontece com ela quando a câmera corta, Dave?

Dave Erickson: Acho que fica bem desagradável para ela logo que saímos daquele espaço.

Certo, vamos para o final então. Daniel derrama toda a gasolina e o lugar fica em chamas e todos saem. Mas Nick não vai com eles. Ele diz que Celia estava correta sobre eles, eles destroem tudo, e ele fica com os zumbis andando entre eles. O que Nick planeja aqui, ou ele ao menos tem um plano?

Dave Erickson: Isso na verdade é algo que será respondido logo que voltarmos nessa temporada. Mas no momento, não. Acho que naquele momento ele está bastante confuso e desesperado porque ele finalmente havia se sentido seguro. E em Celia ele descobriu alguém que ele achou que o entendia e entendia sua conexão com os mortos.

E se você olhar para o histórico da família Clark-Manawa nos últimos episódios, o que Nick fala é verdade. Muito do que aconteceu com eles, eles causaram em outras pessoas, e muita da violência e dos danos que o apocalipse causou, a família teve parcela de culpa. Todos estão procurando seus lugares nesse mundo, e acho que Nick finalmente achou o dele, ou pelo menos tinha achado que tinha, e isso se perdeu, foi comprometido. E esse comportamento foi consistente com o que o Nick do mundo normal teria feito, coloquemos dessa forma. Existe um certo egoísmo no comportamento e no vício dele, e isso sempre toma a frente de todo o resto.

Então naquele momento ele está cabisbaixo. Ele está desesperado com o que aconteceu com o complexo, e ele imagina o pior. Ele olha a devastação, olha o fogo, olha para si e olha para sua família como se fossem monstros, e isso é algo que ele terá que processar e lidar. Naquele momento ele apenas não tem estômago para ficar com sua família, ele precisa voltar para seu lugar entre os mortos. Ele sente de verdade que tem uma conexão com os mortos por poder caminhar entre eles, e isso é algo que exploraremos na nossa volta, ele tentará descobrir como ele funcionará nesse mundo. Mas as histórias estarão fragmentadas na segunda metade da segunda temporada, existirão várias linhas de história e a família terá que achar o caminho de volta entre si.

Agora teremos uma pausa até que o grupo separado em três diferentes lugares volte. O que você pode dizer sobre a volta?

Dave Erickson: A resolução será algo que demorará um pouco, e a união da família será algo que eles terão que fazer por merecer. Mas essencialmente existirão três linhas do tempo – potencialmente quatro – onde eles farão de tudo para sobreviver. O interessante na volta de temporada é que até então eles tinham lugares seguros, por assim dizer, falando da primeira metade. Tínhamos o barco até ele ser comprometido. Tínhamos lugares onde poderíamos conseguir comida e água, e depois tivemos o complexo. E essa será a primeira vez que veremos Travis, Madison, Alicia e Nick, e Chris numa posição em que eles terão que aprender a sobreviver de uma forma que eles ainda não tinham vivido, e esse será um dos grandes desafios para eles.

E isso será em terra, em água ou nos dois?

Dave Erickson: Isso temos que esperar para ver. Tentaremos retornar ao Abigail na volta de temporada, e então veremos o que aconteceu com o barco.

Fiquem ligados aqui no FEAR the Walking Dead Br e em nossas redes sociais @FearWalkingDead (twitter) e FEAR the Walking Dead Brasil (facebook) para ficar por dentro de tudo que rola no universo de Fear the Walking Dead.


Fonte: Entertainment Weekly


Comentários

  • The Killer Joker

    Dsclp gnt qm gosta, mas to me esforçando muito p continuar vendo Fear, os atores são muito bons mas parece q os roteiristas ñ se importam em criar um peso dramático como em twd a série anda anda p terminar no msm lugar….

  • “The Irish Lass Kicker”

    Gosto muito dessa série só que sinto que falta algo nela..