Siga-nos nas redes sociais

Destaque

Review Fear the Walking Dead S05E14 – Today and Tomorrow: Quando criticar se torna redundante

“Today and Tomorrow” foi o 14º episódio da 5ª temporada de Fear the Walking Dead. Venha conferir a nossa crítica ao episódio e comente conosco.

Publicado há

em

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do décimo quarto episódio, S05E14 – “Today and Tomorrow”, da quinta temporada de Fear the Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Em anos escrevendo críticas aos episódios de The Walking Dead e de Fear the Walking Dead acabei descobrindo macetes para não soar repetitivo, até quando as tramas exibiam duas ou três semanas ruins. Entretanto, provavelmente nem o mais experiente crítico profissional conseguiria não se tornar redundante e repetitivo no que concerne a avaliação dessa quinta temporada de Fear.

Today and Tomorrow traz Morgan de volta ao foco depois de duas semanas sem dar as caras. Se isso não fosse suficiente, vemos que algumas incoerências continuam a ser repetidas na trama filosófica do personagem. Isso porque ele a todo o momento reforça que ajudar as pessoas agora é o centro de sua existência. Inclusive, um dos momentos mais incômodos dessa semana foi o momento em que Althea tentava buscar uma solução para que pudessem ajudar os amigos dos poços de petróleo e Morgan afirmou que deixar as caixas também era importante.

Mas é engraçado que a filosofia dele se embasa tão somente no entorno das caixas de suprimentos, pois, quando viram Tom desesperado por gasolina, afirmando necessitar fugir, Morgan e Althea foram irredutíveis em exigir que ele devolvesse o combustível. Ou seja, uma pessoa que aparentemente necessitava de ajuda e que necessitava de algo que eles tinham, foi colocada em escanteio em prol das caixas. Isso significa somente uma coisa: a verdade é que a filosofia de Morgan é falha. Ele constrói um ideal de ajuda ao próximo, mas o ideal para ele é tão superior aos sobreviventes que nada pode minimizá-lo. A ajuda só é válida quando vem das caixas.

De repente, voltamos a ver o grupo de Virginia e descobrimos a ligação de Tom com a comunidade dela. Althea então liga a história de que Virginia quer construir um futuro com a de Isabelle e mascara uma tentativa de reencontrá-la dizendo que irá entrar no local para encontrar a irmã de Tom. Esse, que até então era um desconhecido, é deixado com o carro, os suprimentos e a gasolina para que Althea e Morgan invadam a comunidade. Sim, eles quase agrediram o homem pela gasolina e agora deixam tudo nas mãos dele, sem saber se de fato ele fala a verdade.

Morgan continua a prender a trama em um péssimo desenvolvimento.

Seguindo em frente, a dupla consegue adentrar os portões do local e pouca coisa relevante acontece, além de Althea e Morgan resolverem tomar banho de piscina com um zumbi e acabarem sendo pegos pelos guardas da – aparentemente – nova antagonista.

Nesse momento eu pensei que teríamos mais explicações sobre os planos maléficos de Virginia e no tudo o que ela é capaz de fazer com os sobreviventes. Entretanto, continuamos a ter mais do mesmo, mesmo havendo apenas mais dois episódios depois desse para encerrarmos o quinto ano.

Aliás, vejo uma tentativa de criar uma vilã carismática, a altura de Negan em The Walking Dead, que beira a loucura, usando de ironia para se expressar. Entretanto, o roteiro é tão forçoso nessa tentativa que acaba ficando até mesmo desconfortável a diferença de tons entre a personagem e o restante da história. É como uma carta fora do baralho.

Sem muitas ameças, Virginia solta os dois heróis e os deixa ir embora. Óbvio que essa não é a última vez que a veremos, mas fica claro que para uma tentativa de salvar a quinta temporada ao menos em sua reta final, o melhor a ter sido feito aqui era Virginia liberar Luciana e deixar que todos fossem embora em paz, nunca mais tornando a aparecer na trama e nem sendo citada. Me dá medo pensar que estão planejando levar essa trama fraca, solúvel e amargada para a sexta temporada. Bom seria que se encerrasse e fosse esquecida.

Noutro lado da história, tivemos até uma boa métrica com Daniel Grace. Grace é uma personagem que – infelizmente – não parece que terá muita oportunidade de crescer, tendo como propósito único o desenvolvimento de Morgan. Mas, ela é carismática e tem força para dar muito mais do que está entregando. A forma como ela funciona com Daniel aqui é impressionante, leve e degustável.

Grace e Daniel foram a melhor parte do episódio, muito embora com um péssimo desfecho.

O único porém aqui é aquilo que já tínhamos previsto no episódio do shopping center, em que Grace está prestes a usar máquinas de raio-x para descobrir se está ou não com câncer derivado da radioatividade que se expôs. Lá, eu critiquei o fato da desistência da personagem em descobrir a doença, pois essa seria a primeira vez que teríamos contato e poderíamos acompanhar um enredo desses: um personagem que além do apocalipse zumbi precisa lidar com o avanço de uma doença incurável e decidir se vale a pena continuar a lutar ou não. Mas o que os roteiristas escolheram fazer? O caminho mais curto e fácil, deixando a personagem na história e de repente, em certa altura, provavelmente decidirão fazê-la ter um desmaio e morrer, sem aprofundamento, sem dramaticidade e sem muito impacto.

Depois de anos tendo diversas oportunidades de repensar sua vida e de aprender a aceitar a morte da sua esposa e filho, Morgan decide se livrar do passado num clique único. Veja, ele poderia ter tido esse clique em todo aquele episódio em que Grace o fez feliz novamente e trouxe a ele leveza e libertação. Mas, os roteiristas sem motivo aparente resolveram fazer com que as fitas de Althea resolvessem todos os seus problemas.

O cômico é que depois de todo esse tempo, quando ele resolve dar um passo adiante, ele descobre que aparentemente é tarde demais. Grace está morrendo. Os roteiristas terão que ter muita força de vontade e capacidade explanativa para explicar o como a decisão tomada após assistir a fita de Althea fará de Morgan um homem firme e decidido em continuar avançando mesmo que Grace morra. Ou, infelizmente, veremos o personagem voltando a estaca zero pela milésima vez. Acompanharemos ele surtando, perdendo o juízo, tentando reconquistá-lo e se entupindo de filosofias morais para tentar se estabilizar enquanto não se desagarra do passado.

Outro ponto repetitivo, mas que precisarei citar é o problema de termos três comunidades gigantescas com os mesmos ideais no universo compartilhado que o AMC quer desenvolver para a marca The Walking Dead. Temos na série principal Georgie que levou Maggie a aplicar o livro “A Chave” – que é o objeto símbolo de Virginia – e que diz ter uma grande comunidade que desenvolve outras para o futuro da humanidade. Além disso, temos os helicópteros que ligam as duas séries e que, conforme Isabelle, também derivam de um local que prega a construção de um novo mundo para a próxima geração de humanos. E, agora, Virginia com uma conversa basicamente copiada das outras duas. Não é arriscado demais desenvolver três tramas idênticas e paralelas num universo compartilhado que flui pro mesmo ponto central? Não é complicado lidar com histórias idênticas sem se tornar repetitivas? Ou é uma mentira de Virginia e no fim descobriremos que ela, Isabelle e Georgie estão unidas, muito embora o modus operandi de cada uma delas seja completamente diferente uma das outras.

Grace teria chances de crescer, mas escolheram usá-la como personagem de apoio para Morgan.

Indo mais além, o canal AMC não está arriscando demais em começar a partilhar a ligação do universo a partir de Fear the Walking Dead justamente em um ano que a história da série não é concisa, convincente e orgânica? Entendo pouco do assunto, mas ao meu ver para se criar um universo compartilhado o principal investimento precisa ser no seu ponto de partida, o local que começa a expressar as ligações, o fundamento. Se a fundamentação não é coerente e forte o suficiente, a “casa” que é construída sobre ela corre o risco de desabar.

Enfim, como disse, não há muito mais do que se falar de Fear the Walking Dead. Ainda temos dois episódios para essa temporada, onde os leitores provavelmente voltarão aqui e lerão uma crítica semelhante a essa para cada um deles. Não porque eu queira criticar, mas porque é impossível enxergar algo bom no meio de toda a sujeira que fizeram nessa temporada.

E você? Qual a sua opinião? Vote na nossa enquete e comente abaixo.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Destaque

Fear the Walking Dead é renovada para a 7ª temporada

O anúncio da 7ª temporada de Fear the Walking Dead foi feito através de um teaser divulgado nas redes sociais oficiais da série.

Publicado há

em

morgan armado em imagem da 6ª temporada de Fear the Walking Dead

Fear the Walking Dead foi renovada para sua 7ª temporada pela AMC. O anúncio foi feito através de um teaser divulgado nas redes sociais oficiais. A série de zumbi está atualmente na metade da 6ª temporada, que está em hiatos, tendo transmitido seu episódio final em novembro, um episódio a menos de sua meia temporada de 8 episódios originalmente planejada devido aos atrasos enfrentados na produção por causa da pandemia do Coronavírus.

A nova temporada começará sua produção em 2021 e provavelmente irá ao ar no final de 2021 ou no início de 2022. Nenhuma data oficial foi confirmada, nem para produção ou lançamento. Ainda existem 9 episódios restantes da 6ª temporada, que voltarão a ser exibidos no início do próximo ano.



O produtor executivo e diretor de conteúdo Scott M. Gimple falou sobre os próximos episódios de FTWD:

“Só vou dizer que o S06E08 é um grande episódio, apenas as ramificações, a emoção, a intensidade disso…”, comentou Gimple. “Eu sei por que não o fizemos. Foi por causa de… Mas acabei de ver o corte totalmente acabado, tudo o que podíamos juntar, e mal posso esperar que as pessoas vejam. É um episódio muito, muito bom. E há algumas sequências ali nas quais ainda penso, que eu sabia que estavam na página. Tínhamos conversado sobre eles.”

LEIA TAMBÉM:
Produtor revela se veremos Rick Grimes em The Walking Dead: World Beyond

Fear the Walking Dead é estrelado por Alycia Debnam-Carey, Colman Domingo e Ruben Blades em sua primeira temporada. Durante as recentes temporadas, os veteranos de The Walking Dead, Lennie James, Austin Amelio e Christine Evangelista se juntaram a série como parte de histórias cruzadas. Maggie Grace, Danay Garcia, Garret Dillahunt, Jenna Elfman, Alexa Nisenson e Colbie Minifie também desempenham papéis importantes na série muitas vezes dirigida por Michael Satrazemis e Michael Cudlitz, junto com Domingo e James.

Para os fãs que esperam ver Kim Dickens retornar ao seu papel como Madison – que foi dada como morta na 4ª temporada de Fear the Walking Dead – Gimple os incentiva a “manter a esperança viva”, já que as conversas parecem estar acontecendo nos bastidores.

“Existem várias questões [dos fãs] sobre Madison,” Gimple admite “E é realmente verdade que estamos chutando muitas coisas, não apenas dentro de… Conversamos sobre FTWD. Tivemos conversas sobre Tales of the Walking Dead, e até mesmo dentro The Walking Dead. Existem todos os tipos de possibilidades. Investigamos muito esse passado nas histórias, especialmente em Tales of the Walking Dead. Então, se tudo acontecesse, seria incrível, mas há algumas coisas flutuando ao redor que são realmente incríveis.”

Continue lendo

Destaque

Novo trailer da 6ª temporada de Fear the Walking Dead (LEGENDADO)

O novo trailer da sexta temporada de Fear the Walking Dead foi divulgado na San Diego Comic-Con, confira as novas cenas legendadas.

Publicado há

em

AMC divulgou um novo trailer da 6ª temporada de Fear the Walking Dead, hoje, no seu painel na San Diego Comic-Con @ At Home.

As novas cenas da sexta temporada mostram Morgan Jones tentando sobreviver, porém pode não ser por muito tempo, já que ele está sendo caçado.

O trailer também veio para mostrar que os primeiros episódios da volta de Fear The Walking Dead já foram gravados antes que a produção precisasse parar.

“Acho que estamos realmente empolgados na 6ª temporada, porque todo mundo se separou e já ouvimos Ginny mencionar o fato de que ela tem alguns assentamentos sob seu controle. Ela é como um colonizador”, o showrunner Andrew Chambliss disse anteriormente à Entertainment Weekly“Ela é como alguém que franquia esses assentamentos e entra e conserta as coisas e então toma o controle. Mas isso significa que vamos ver muitos lugares diferentes e ter muitos sabores diferentes e seremos capazes de mergulhar realmente profundamente com nossos personagens.”

Além de Andrew, Ian Goldberg também revelou que essa será uma temporada mais sombria e misteriosa, com um foco na vida dos personagens e o que está acontecendo com eles nas comunidades da Virginia.

LEIA TAMBÉM:
REVELADA A DATA DE ESTREIA DA 6ª TEMPORADA DE FEAR THE WALKING DEAD

O produtor executivo, Scott Gimple disse que a estrutura da série irá “mudar um pouquinho”.

A 6ª temporada de Fear the Walking Dead estreia dia 11 de Outubro, mas ainda não se sabe quando a série poderá voltar a ser gravada por conta da pandemia.


Legendas por: Letícia Paulini / Equipe Fear the Walking Dead Brasil

Continue lendo

Destaque

Revelada a data de estreia da 6ª temporada de Fear the Walking Dead

Confira a data de estreia da 6ª temporada de Fear the Walking Dead nos EUA. A data de estreia no Brasil ainda não foi divulgada.

Publicado há

em

A AMC anunciou na Comic-Con @ Home que a 6ª temporada de Fear the Walking Dead vai estrear na noite de 11 de outubro de 2020.

A sexta temporada de Fear the Walking Dead explora o que aconteceu com a família improvável, unida pela missão de ajudar os necessitados. Depois de serem separados por Virgínia e os Pioneiros, o grupo agora está espalhado ao longo das comunidades.

A última mensagem de Morgan (James) ao final da quinta temporada foi um apelo para que o grupo “apenas sobreviva” e, nessa temporada, nós vamos ver o que isso significa para cada um deles. Alguns vão achar intrigante a estabilidade e oportunidade dentro das comunidades de Virginia, outros vão afundar na escuridão, enquanto outros vão lutar contra o que lhes foi imposto. A vida atrás das paredes de Virginia vai testar cada um deles de maneiras diferentes, forçando-os a definir quem eles são neste novo mundo.

A data de estreia no Brasil ainda não foi divulgada. Desde a segunda metade da quarta temporada, o AMC Brasil optou por exibir a série em datas diferentes dos EUA. Na 5ª temporada, eles começaram a exibir a série após 3 episódios já terem sido lançados em solo americano. Não sabemos se isso será mantido ou se eles voltarão a exibir a série simultaneamente.

Ansiosos pelo retorno de Fear the Walking Dead? O que você gostaria de ver na sexta temporada? Quais são suas expectativas? Deixe todos os seus pensamentos nos comentários abaixo!

Continue lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

EM ALTA