Entrevistas

Dave Erickson promete “tensão psicológica” em Fear the Walking Dead

Publicado há

em


Quando Rick Grimes acordou do coma em The Walking Dead, o apocalipse zumbi já estava em completa atividade canibalistica. A estreia de Fear the Walking Dead em agosto, no entanto, vai mostrar o surto à medida que ele acontece. Isso significa que veremos na nova série algo que não vimos antes: confusão em massa.

Antes de vermos os personagens – liderados pelo casal Travis (Cliff Curtis) e Madison (Kim Dickens) – matarem qualquer zumbi, nós veremos eles confrontando e compreendendo o fato de que zumbis sequer existem. A Entertainment Weekly conversou com o showrunner de Fear, Dave Erickson, para saber detalhes e o que esperar da nova série da AMC.

Como você descreveria os dois personagens principais, Madison e Travis, no centro da coisa toda?

Dave Erickson: Para Madison e Travis, o objetivo era estabelecer um casal sólido. Eles ainda não estão casados: ele é divorciado, o marido dela faleceu há alguns anos, e a ideia é que eles têm a qualidade de almas gêmeas. Eles se conheceram, eles são fortes um para o outro, eles se complementam da melhor forma. O que eu adoro nisso é que está pegando este relacionamento fundamentalmente sólido e então vendo como o apocalipse muda isso. Vendo como as nossas personalidades começam a evoluir à medida que o tempo passa diante disso. Eu acho que eles são muito compreensivos com os defeitos um do outro, e o interessante é pegar as complicações normais que existem em um bom relacionamento e então coloca-los sob grande tensão e ver como cada personagem reage.

Muito do que o show é pra mim, tematicamente, é que é muito sobre identidade, que é uma das razões pelas quais escolhemos Los Angeles como local para a série. É uma cidade de mudança, é um lugar onde as pessoas vêm tanto para recomeçar ou para se distanciar de seu passado, e esse é o caso para muitos dos nossos personagens. É interessante ver individualmente, mas também é interessante ver em termos de relacionamento e família como essas identidades estabelecidas começam a se partir e começam a mudar.

Como o ambiente físico de Los Angeles desempenha um papel para fazer com que essa série pareça diferente do que vimos na Georgia no Walking Dead original?

Dave Erickson: É mais denso. Nós filmamos principalmente no leste de L.A. e sempre que estamos fora nesse ambiente e você olha pra fora e vê as colinas cobertas por casas, e você vê as estradas – apenas o senso de densidade e população para a audiência no piloto e nos primeiros episódios – eles estão um pouco à frente dos nossos personagens. Eles sabem o que está por vir e existe essa antecipação e ansiedade de esperar que a nossa família acompanhe e perceba o que está acontecendo, aprenda as regras, aprenda a sobreviver.

Acho que a qualquer momento nós temos esse tipo de vibração e caos da cidade e somos lembrados do fato de que existem milhões e milhões de pessoas ao redor dos nossos personagens, e há esse pavor de “Caramba, um monte dessas pessoas está prestes a morrer”. Pra nós, era sempre sobre o tubarão que você não vê no começo da série, e tentar entender que algo muito errado está acontecendo e o que é? Tem um nível de paranoia, tem um nível de ansiedade, tem um sentimento muito inquietante inicialmente. E nós temos zumbis, e jogamos com algumas belas alegorias de gênero, mas temos uma certa tensão psicológica no início.

É engraçado que você tenha mencionado a parte psicológica disso, porque em The Walking Dead você sabe que se você vê um zumbi, você mata ele. Eu imagino que o começo disso era “é assassinato matar essa pessoa?”

Dave Erickson: E esse é um dos desafios: “Por que você está se comportando assim?”. No final das contas, as pessoas já viram o bastante – quero dizer, nós estamos vendo o apocalipse pelo filtro deste drama familiar, então eles vão testemunhar isso, eles confrontarão pessoas que se transformaram, eles serão forçados a lidar com isso. E de muitas maneiras Madison e Travis, Nick e Alicia – nossa família principal – estão ligeiramente à frente no jogo. E o interessante é que à medida que eles percebem o que está acontecendo, ainda existirão vizinhos, ainda existirão pessoas em suas vidas que ainda não entenderam bem. Às vezes é uma desconexão estranha onde, por que as pessoas ainda não reconheceram o que está acontecendo?

É sempre uma cena interessante quando você está tentando explicar para uma pessoa que o mundo acabou, e que as pessoas estão voltando dos mortos. É uma navegação histórica interessante que Robert criou brilhantemente nos quadrinhos, e eu acho que a explicação que o personagem de Lennie James dá para Rick no piloto de The Walking Dead é perfeita. Basicamente, Rick saiu do coma e Morgan consegue dizer “Ei, olha, isso é o que aconteceu. Isso é o que essas coisas são”. Nós conseguimos explorar o processo pelo que o personagem de Morgan veio a descobrir, que eu acho bem interessante.

Nós não vimos o surto de fato antes, então houve algum processo em termos de precisar se comunicar com Robert Kirkman ou qualquer outra pessoa em termos das regras que você está estabelecendo com esse mundo?

Dave Erickson: Nós escrevemos o piloto juntos, então ele esteve bem envolvido. Nós estamos vivendo embaixo do mesmo guarda-chuva mitológico, então precisamos seguir as mesmas regras que ele definiu nos quadrinhos e na série. Então a qualquer momento se nós corrermos o risco de nos desviarmos ou entrar em algo que não foi estabelecido no original, ele está por dentro de tudo. Nós temos o beneficio de trabalhar com o time de produção executiva da série original, então nós temos Robert, Dave Alpert, Gale Anne Hurd e Greg Nicotero. Então temos bastante orientação. É um visual diferente para os zumbis, e Greg Nicotero esteve bastante envolvido na definição da aparência nos nossos zumbis mais frescos, na falta de uma palavra melhor. Nós decidimos não nos desviarmos das regras do original, apenas porque eu acho que o que Robert fez funciona, e não há razão para mexer nesse envelope em particular.

Ainda que os personagens e eventos na sua série não venham dos quadrinhos, tem alguma coisa que você tirou dos quadrinhos e que vamos ver?

Dave Erickson: O clima. Tematicamente, o que eu adoro nos quadrinhos e o que eu adoro na série é que parece muito pé no chão pra mim em termos de dinâmica dos personagens e de relacionamentos. Eu acho que essa é a razão pela qual os quadrinhos e a série fizeram tanto sucesso, então isso como um marcador de distância foi muito importante quando começamos a trabalhar. Mas em termos de história, em termos de elementos, muito do que eu adoro nos quadrinhos foi usado na série. Agora que você falou isso, eu vou precisar voltar e ver se consigo começar a achar alguns Easter Eggs e encontrar um pouco de tecido conjuntivo.

A primeira temporada de Fear the Walking Dead contará com seis episódios e vai ao ar em Agosto de 2015 na AMC dos EUA e na AMC Brasil. Mais informações, tais como a data de lançamento e o trailer oficial, serão divulgadas durante a Comic Con de San Diego.

Fiquem ligados aqui no FEAR the Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @FearWalkingDead no twitter e FEAR the Walking Dead Brasil no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de FEAR the Walking Dead.


Fonte: Entertainment Weekly
Tradução: @Ivyleca / Staff Fear the Walking Dead Brasil

Comentários

EM ALTA

2015-2020 | Fear the Walking Dead Brasil - Sua maior e melhor fonte brasileira sobre Fear the Walking Dead.

Sair da versão mobile