1ª Temporada

[COM SPOILER] Crítica do episódio piloto de Fear the Walking Dead

Publicado há

em


O site Season Zero teve acesso ao episódio piloto de Fear the Walking Dead e elaborou a sua crítica – com alguns spoilers – do que eles acharam da estreia da série derivada de The Walking Dead.

Escrita e produzida por Robert Kirkman (The Walking Dead) e David Erickson (Sons of Anarchy, Low Winter Sun). Co-produzida por Gale Anne Hurd, Greg Nicotero, Bill Johnson e David Alpert. Dirigida por Adam Davidson (Hell On Wheels, Community, Big Love, Parenthood). Para a AMC, AMC Studios, Circle of Confusion & Valhalla Entertainment.

Descrição: Quando Nick (Frank Dillane), seu filho adolescente viciado em drogas, é encontrado em choque no meio da rua como se tivesse acabado de ver um fantasma, Madison Bennett (Kim Dickens) tenta entender o que aconteceu com ele, com a ajuda de sua filha, Alicia (Alycia Debnam-Carey), e de seu noivo, Travis Posada (Cliff Curtis). Eles descobrem que o caso pode estar ligado a uma misteriosa doença que está se espalhando em ritmo rápido pela cidade de Los Angeles por alguns dias e que, inevitavelmente, atingirá proporções globais em breve…

Com Kim Dickens (Deadwood, Sons of Anarchy, House of Cards, Friday Night Lights), Cliff Curtis (Duro de Matar 4, Dia de Treinamento, Três Reis), Frank Dillane (Sense 8), Alycia Debnam-Carey (The 100, Unfriended), Elizabeth Rodriguez (Orange is the new Black, Grimm), Lorenzo James Henrie e outros.

A série estreia em agosto na AMC.

Quando a AMC anunciou que já estava trabalhando em um spinoff desnecessário de The Walking Dead, ninguém ficou realmente surpreso e todos esperaram algo mais exótico e original do que a história se passar em Los Angeles. Quero dizer, eles tinham infinitas possibilidades. África, Ásia ou até mesmo Europa teriam sido lugares mais animadores. Outra parte do globo! Mas que seriam opções muito mais caras e definitivamente mais arriscadas. Era pedir demais, eu suponho. Robert Kirkman e seus co-produtores seguiram o caminho mais fácil, nós realmente não podemos culpá-los. Então, qual é o segredo? Fear the Walking Dead basicamente mostrará os primeiros dias da epidemia através dos olhos de uma família moderna, recomposta e um pouquinho clichê que vive na “cidade dos anjos”. A parte interessante? Descobrir o que aconteceu com as autoridades, o governo… Mas não é exatamente sobre isso que será o episódio piloto. A série? Por enquanto, é difícil dizer. Recebemos poucas informações e esperamos receber mais em algum ponto. Mas sabemos o quão impotentes todos são e como termina, então…
 
Conforme eu compreendo, Fear the Walking Dead tenta ser mais ampla do que a série original. O que é estranho. The Walking Dead se tornou um fenômeno tão grande, em parte, por ser surpreendente, nunca antes vista da TV, brutal, gráfica e cuidadosamente trabalhada. Era o tipo de série que se tornou muito popular, viciante e hipnotizante, sem que tentasse ser assim. A mesma coisa aconteceu, de certa forma, com Game of Thrones da HBO, só que eles tentaram, muito. Fear the Walking Dead não é surpreendente. Começa exatamente da mesma forma, com Nick, o filho adolescente, acordando depois de um longo sono em uma casa em que ele não deve estar, no meio de poças de sangue e vísceras. Ele rapidamente começa a se lembrar do que aconteceu, dos horrores que viu (um de seus amigos devorando outro) e não demora muito para os walkers aparecerem, fazendo com que ele fuja imediatamente, antes que seja tarde demais. Então, ele se envolve em um acidente de carro. Fim do primeiro ato. É eficiente mas também é o suficiente para perceber que, seja The Walking Dead, seja seu spinoff, quer aconteça em Atlanta ou em Los Angeles, com Rick ou com Nick, no fim das contas, conta a mesma história que já está ficando desgastada há algum tempo no original – que eu acompanhei durante suas quatro primeiras temporadas, antes de desistir, pois fiquei entediado demais e não gostava de mais nenhum dos personagens que estavam vivos, só da Carol. Não sentia mais nada por nenhum dos personagens. É nesse momento que se termina o relacionamento, certo?
 
Então, há o drama familiar. Conhecemos os membros das famílias Bennett e Posada um a um. E eles são… chatos? Mais ou menos. Eles parecem muito com você, comigo e com todo mundo. Certo, o filho é viciado em drogas – nem todos nós somos – mas a mãe é uma mãe carinhosa, amorosa e bondosa demais para o próprio bem de Nick; o padrasto é um padrasto que tenta se encaixar, tenta ser O homem, o salvador, o herói – e a filha adolescente é uma filha adolescente rebelde que não está muito preocupada com o que acontece, desde que ela possa sair de casa para dar uns amassos com o namorado mais velho, que é um bad boy. Também tem a ex-esposa, amarga; e o outro filho, amargo e puto. Madison não pode ser comparada a nenhuma das mães de The Walking Dead, mas Travis age de uma forma muito semelhante à forma de agir de Rick, pelo menos no início da série. Não é difícil se conectar com eles, compreender seus sentimentos, suas reações. E é esse o problema. É fácil demais. É clássico demais. Não comove você, nem chateia você. Deixa você, na maior parte do tempo, indiferente. Aqueles que assistem The Walking Dead não querem ver uma versão mais suave do original. E aqueles que não assistem o original certamente não irão conferir esse spinoff. Não é como se a AMC pudesse promover a série como “é tipo The Walking Dead, mas para uma audiência composta por famílias”. Ainda tem zumbis, ainda tem violência, ainda tem coisas difíceis com as quais se lidar. Termina com uma cabeça separada do resto do corpo, que ainda está viva e fica encarando a família…
 
Eu não sou um grande fã de The Walking Dead e não me parece que Fear the Walking Dead seja melhor. De fato, só pode ser pior, julgando pelo piloto desinteressante que eles escreveram depois de longas horas de brain storming sobre o que esse spinoff poderia e deveria ser. Isso foi o melhor que conseguiram fazer? Dã. É preguiçoso e muito comum. Fico preocupado, mas não completamente pessimista. Eu adoro dramas familiares. Se eles conseguirem aprofundar os personagens, acrescentarem detalhes e tiverem um plano secreto que não querem que descubramos por enquanto, talvez seja uma série que precisa de tempo para crescer. Com sorte, eles já têm encomendadas duas temporadas para fazer isso. Se não conseguirem, ainda podem dizer que o plano era que fosse uma série de tempo limitado desde sempre…

A primeira temporada de Fear the Walking Dead contará com seis episódios e vai ao ar em Agosto de 2015 na AMC dos EUA e na AMC Brasil. Mais informações, tais como a data de lançamento e o trailer oficial, serão divulgadas durante a Comic Con de San Diego.

Fiquem ligados aqui no FEAR the Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @FearWalkingDead no twitter e FEAR the Walking Dead Brasil no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de FEAR the Walking Dead.


Fonte: Season Zero
Tradução: Lalah / Staff Fear the Walking Dead Brasil

Comentários

EM ALTA

2015-2020 | Fear the Walking Dead Brasil - Sua maior e melhor fonte brasileira sobre Fear the Walking Dead.

Sair da versão mobile